Blogue em atualização

Destaque:

ESCRITOS DE JUVENTUDE e ATRAVÉS DO AR E DA LUZ – Apresentação destes livros na Biblioteca Municipal de Setúbal, no dia 12 de novembro às 16h

O REGRESSO DAS MUSAS – Exposição de pintura que decorreu entre 23 de setembro 6 de outubro 

Catálogo

O que distingue uma obra de arte

Esta reflexão não pretende desenvolver o tema em vários prismas, mas centrar-se apenas num deles. Múltiplas abordagens deram já para encher muitos livros sobre este assunto. Aqui não se irá tão longe.

O que distingue uma obra de arte de uma outra obra ou objeto feito pelo homem é o facto de esta pertencer sempre ao seu autor. Não se trata de uma relação de propriedade atestada por uma fatura ou um registo notarial, já que esta se mantém para lá da morte do artista, mas de uma relação diferente. Para explicar isso, peguemos na relação pergunta-resposta, começando a pergunta por “de quem é”.

Quando alguém olha para um automóvel e pergunta “De quem é este carro?”, alguém responderá “É do dr. Azevedo”. Olhando para um quadro alguém pergunta “De quem é este quadro?”, alguém o esclarece respondendo “É de Van Gogh”.

Perante uma sumptuosa moradia a quem ninguém se refere como sendo uma obra de arte, alguém pergunta “De quem é este edifício?”, e alguém responde “É da marquesa de Arraiolos”. Perante a Casa Milà, em Barcelona, se alguém fizer a mesma pergunta ouvirá logo alguém dizer que é de Antoni Gaudí, e não de quem, de facto, é seu dono.

Ora, o quadro já não pertence a Van Gogh desde que ele morreu e a casa nunca pertenceu a Gaudí, que a projetou. Compre-a quem a comprar, pague por ela quanto pagar, uma obra de arte pertence sempre ao seu autor. E isto faz das obras de arte objetos especiais.

AG

Outras reflexões